Sobre pontos finais

Nos silêncios raros – quase mitológicos – que se estabelecem no meio das horas ruidosas, resolvi te responder. Doze dias é o máximo de tempo que meu coração consegue dar. Precisei te dizer, com todas as letras, não. Mas muito antes disso, precisei fermentar esse não (antes inimaginável, ontem aceitável, hoje friamente executado) durante dias…

Convite

Eram dez e meia da noite de uma sexta-feira. A vida florescia na cidade baixa: os tons de voz mais altos, os passos mais lânguidos, pessoas chegando ou mudando de lugar. Saí do aniversário de uma amiga com o coração sob controle, confiante de que tua mensagem era um alarme falso. Um convite para uma…

Dazed and Confused

Quinze noites seguidas. Talvez dezesseis, dezessete. Não sei precisar, e não me atrevo a contar. Elas têm passado tão depressa, mas quando olho para trás, parece que estou há anos nesse mesmo impulso. Quero parar, voltar para casa e dormir por dois longos dias. Quero ficar na cama, abraçada em um travesseiro, assistindo um seriado…

Ponto de Mutação

Na maioria dos dias, eu consigo controlar meu fluxo de pensamentos. Eles são muitos, mas consigo fazer com que eles percorram uma linha, mais ou menos reta, e terminem num ponto previsível. Isso me exige paciência e calma. Em dias como hoje, isso é impossível: as obras no hospital transformam minhas horas em pontos condensados…

The sound of silence

Havia sido um longo dia no hospital. A sucessão de reuniões, consultas e procedimentos acabou com meus intervalos: só me dei conta que não havia almoçado quando o dia já beirava as três da tarde. As horas se misturavam umas com as outras, a chuva cedendo e recomeçando, a eletricidade por vezes falhando. Em um…

Máquinas do tempo

Quando eu era criança, meu grande sonho era voltar no tempo. Pensava em todas as coisas que faria diferente, as noites que passaria em claro, as diversões que teria. Desde cedo, já carregava comigo esse sentimento hediondo e pegajoso de que não havia aproveitado o bastante. Não havia vivido, amado e sorrido o suficiente. Acho…